O amor está doente

Madrugada de quarta-feira, emergência 24 horas da Santa Casa de Misericórdia de Maceió. Um senhor de aproximadamente 70 anos chega amparado pela mulher – uma senhora um pouco mais nova – e pelo filho. Reclama de fortes dores no peito e no braço direito. Os sintomas, avisa o cardiologista, remetem a um possível infarto. Ele recebe os primeiros cuidados e é posto em observação na enfermaria. Verificam sua pressão, que está altíssima, dão-lhe remédios, mas as dores lancinantes insistem em lhe atormentar. Ele reclama. A mulher, aparentando calma, pede para que ele tenha paciência. Aqui e ali, as suas queixas são entrecortadas pelo som contínuo do monitor cardíaco, cuja tela denuncia um batimento descompassado. Deitado e com a respiração auxiliada pela máscara de oxigênio que a enfermeira tinha acabado de lhe introduzir, ele faz um pedido: “Meu Deus, não me dê dores que não posso suportar. Por um instante, lembra-Te da condição humana de Teu filho Jesus, que sofreu todas as dores humanas...”. Silencia. O som das gotas mecânicas do monitor cardíaco invade a sala, agora ritmadas. O senhor parece adormecer, mas é incomodado pelas enfermeiras que chegaram para lhe tirar sangue. De vez em quando, o médico aparece para investigar o histórico do paciente. Traz na testa a preocupação de quem não tem respostas para o que está acontecendo. “Não há nada a fazer por ora a não ser esperar o resultado dos exames”, diz. A mulher do paciente respira impotente. O senhor de aproximadamente 70 anos acorda. “E as dores, meu velho?”, pergunta. “Passaram, passaram... mas meu corpo está em agonia”, fala com brandura. A enfermeira lhe verifica a pressão, mais uma vez alta. O médico aparece. “A pressão oscila pelo fato de o senhor está tenso”, avisa. “Tente dormir, meu velho”, diz a senhora. “Não consigo”, responde. “Conte os pinguinhos”, sugere, referindo-se ao som do monitor cardíaco. E de repente, a sala se enche de paz. Na madrugada fria, o som que sai do coração invade os corredores do hospital vazio...

  1. gravatar

    # by Ariana - 5:44 PM

    Lindo!

    é só o que eu puder dizer tb...

  2. gravatar

    # by Bárbara - 10:41 PM

    Meu coração, que já vem meio descompassado, também parou por alguns segundos - "Na madrugada fria, o som que sai do coração invade os corredores do hospital vazio..." Emocionante!

  3. gravatar

    # by Carlos Nealdo - 3:29 PM

    Ariana e Paulinha,
    No momento em que presenciei essa cena, também não consegui dizer nada a não ser achar tudo aquilo bonito.
    Bárbara, emocionante de fato. Na verdade, duas coisas me chamaram muito a atenção: a) no momento de dor extrema, o senhor não pediu para aliviar suas dores. Pediu apenas para que Deus lhe desse dores que ele pudesse suportar; b) a solução que a mulher encontrou para ele adormecer: "contar os pinguinhos". Sugerida assim, como quem pede a quem se ama para contar carneirinhos...

  4. gravatar

    # by Patricia - 5:26 PM

    Com certeza foi o passamento de uma alma evoluída

  5. gravatar

    # by Thiara - 10:56 AM

    Era a presença do Espírito Santo de Deus.

    Q olhar atendo, Nealdo.

  6. gravatar

    # by Milton Guedes - 11:00 AM

    O texto tem um rítmo que você parece que sente a agonia do paciente!!